quinta-feira, 9 de abril de 2015

Inefável cegueira – Por Betina Pilch


Deslocada, 
transitando em nada,
 vago sem mim...
A solidão brota do chão
de um órgão,
mortificado pela vida,
compositor de um pulsar sem melodia.
Então, minha essência no papel é aprisionada e,
com uma aquarela de lágrimas, 
 uma peça, repleta de vaias, é pintada.
Transmutada, a realidade gritante é ecoada
e no silêncio se instala a voz que se perdeu.
Asas quebradas
de uma alma anêmica cansada,
batem perdidas entre as pétalas ásperas
da vida que padeceu.
E, entre respirações invisíveis e distâncias
transtornadas,
espasmos de fadigas eclodem em páginas
de uma poesia enterrada que,
de tão sufocada,
morreu...


Postar um comentário