segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz, Feliz Natal.



Lembranças, saudade, esperança.
Magia, paz, alegria.
Cheiro de infância, sonhos de criança.
Desejo de melhoria, busca pela harmonia.
É dia vinte e quatro do mês doze, todos somos movidos por expectativas doces.
Nos reunimos em festa, cultivamos o amor, numa data como esta contemplamos o esplendor.
A hora mágica evidencia nossas fantasias cinderelescas, todos vivenciamos a felicidade e uma euforia gigantesca.
Luzes piscam, enfeites brilham, pessoas gritam "É Natal!"
Abraços surgem até do vento, chegou o tal dia especial.
Presentes distribuídos, sentimentos compartilhados, sorrisos iludidos, todos emocionados.
Mas o princípio dessa data foi esquecido sem nenhum pudor, esquecem de dar as boas-vindas ao nosso Salvador.
A magia vaga cultivada sem nenhum sentido, todos gritam, comemoram, mas esquecem de parabenizar Jesus menino.
O aniversário mais importante comemorado de forma alienada, papai Noel chega evidenciando o comércio e a felicidade industrializada.
Pacotes fechados, presentes embrulhados, um coração em chamas deixando os pontos importantes de lado.
Não muito distante dali Jesus Menino lembra de sua manjedoura e do estábulo em que nasceu e como naquele dia ninguém tem espaço para Ele, e esquecem que Sua vida, para nossa salvação, Ele nos deu.
                                                                                                              - Betina Pilch.
Postar um comentário